Olá galera, esse post é dedicado para pessoas que querem viajar com os seus pets.

Mas já adianto que esse assunto não é nada simples, pois além do custo existem alguns riscos, cuidados e regras que devem ser considerados na hora de embarcar com o seu pet.

Custo

Primeiramente e o menos importante, o custo, saiba que você deverá pagar uma taxa fixa e mais um valor que vai variar de acordo com tamanho, peso do animal e gaiola de transporte (Kennel). No site das companhias aéreas é possível verificar os valores das taxas.

É importante verificar se o local de destino não cobra nenhum taxa adicional para o serviço, exemplo voos para o Peru, o governo peruano cobra uma taxa de 19% sobre o valor total das cobranças de transporte de animais e excesso de bagagem.

Planejamento

Antes de comprar a passagem, é necessário verificar de esse tipo de serviço está disponível para a passagem em questão.

Algumas companhias exigem que sejam fitas reservas antecipadas para transporte dos pets.

Regras e documentação exigida

Cães com menos de 8 semanas e cadelas prenhas não podem ser transportados

É necessário o certificado de Vacinação anti-rábica para animais com mais de 3 meses de idade, onde conste o nome do laboratório produtor, o tipo da vacina e o número da partida/ampola utilizado. Essa vacina precisa ser aplicada de 30 dias a um ano antes do embarque (filhotes menores de três meses e, portanto, sem a primeira vacina, só serão embarcados com autorização expressa do veterinário).

Também é necessário um atestado de saúde emitido pelo veterinário, a validade do atestado é de 10 dias a partir da data da emissão.

Dependendo do destino as regras documentação exigida pode mudar. Verifique no Ministério da Agricultura do país de origem, sobre os pré-requisitos para entrada de animais domésticos. Por exemplo, a União Europeia exige microchip de identificação nos cães.

Riscos

Atrasos, variações na pressão atmosférica e na temperatura que podem colocar em risco a saúde do animal. Não devem ser embarcados animais com qualquer evidência de problema de saúde, o stress pode colaborar para a piora de qualquer quadro de saúde pré-existente.

Cães que já tenham problemas respiratórios ou que sejam de raças com tendência a esse tipo de problema podem morrer devido ao estresse, por ficarem presos por muito tempo em um mesmo local. Ainda podem ter crises de hipertermia: quando a temperatura corporal aumenta excessivamente, condição que pode ser fatal.

Raças braquicefálicos (com focinho achatado) como pug, boxer, bulldog e shih tzu são mais propensas a terem falta de ar por causa da altitude devido à conformação anatômica das suas vias respiratórias, há casos de cães que morrem nas viagens.

Certifique-se sobre os riscos do cão contrair Dirofilariose (verme do coração) no local de destino, se for o caso faça a prevenção.




Sei que muitas vezes temos vontade de estar com nossos animaizinhos em nossas viagens, porém, pode não ser uma boa para a saúde dele, sendo assim é melhor deixa-lo em casa, se não for possível, procure deixar com alguém que possa tomar conta do seu pet ou procure um local de hospedagem para ele ficar, enquanto você estiver viajando.

Caso você vá viajar com o seu pet, atente-se a todos os detalhes para não ter problemas no dia de sua viagem.

É isso aí galera, caso esteja querendo viajar com o seu pet, espero ter ajudado. Quem já utilizou esse tipo de serviço e tiver experiências para compartilhar, é só comentar.

Caso tenham alguma dúvida ou curiosidade é só perguntar.

Abração

Thiago Gênova

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *